Podence, Carnaval

Os mascarados são uma figura essencial e dinamizadora do Carnaval de Podence. Estas figuras emblemáticas, conhecidas por “caretos”, saem à rua dois dias, Domingo e Terça-feira de Carnaval, correndo pelas ruas de Podence, procurando sobretudo mulheres com o intuito de as chocalhar, ou seja, de as agarrar e atingir com os seus chocalhos – este acto é apenas uma parte da sua performance. Só há umgrupo de elementos femininos que escapa às investidas dos "caretos": as “matrafonas”.

Saiam à rua um Juiz e dois guardas. Estes últimos aplicavam penas e recebiam dinheiro (PEREIRA, 1973:126).

Na noite do Domingo ocorrem os casamentos – representação teatral de uma fase da vida humana – que visam satirizar elementos da localidade. Este acto burlesco de crítica social ocorre precisamente à noite, com o intuito de dificultar a identificação dos vários proclamadores que se colocam em locais estratégicos da localidade. Em primeiro lugar, são anunciados os casamentos – “contratos de casamento” (TIZA, 2004:257) – que visam os solteiros de Podence e, de um modo geral, formam uma união inesperada e satírica. A seguir a este momento, já se sabe, surge a crítica jocosa que é, acima de tudo, um acto expurgatório. Era também nesta noite que os “caretos” saíam à rua e perseguiam as raparigas.

A Terça-feira de Carnaval é o dia em que a actuação dos “caretos” assume mais visibilidade e tal deve-se, sem dúvida, à mediatização que se vem fazendo destas figuras. Hoje em dia, a actuação dos “caretos” não se restringe a Podence. Estas figuras estão presentes em diversas comemorações, chegando a actuar no estrangeiro. Além disso, desde que pagando a quantia devida, os turistas podem vestir o fato e usar a máscara dos “caretos”.

Os “madamos” são homens vestidos de mulheres que se juntam aos “caretos” e às “matrafonas” na Terça-feira de Carnaval.

Outrora, na Quarta-feira de cinzas, eram pagos os tributos. Ou seja, as raparigas que foram casadas tinham de pagar uma importância que revertia na “compra do vinho para os homens e [dos] rebuçados para as raparigas” (PEREIRA, 1973:126).

 

“Caretos” de Podence

As máscaras dos “caretos” de Podence podem ser feitas de diferentes materiais: madeira, lata ou couro. Existe nelas apenas dois buracos para os olhos e um nariz pontiagudo, o que permite ocultar, na sua totalidade, o rosto daquele que enverga esta máscara. Podem ser pintadas de quatro cores, que também veremos no fato: vermelho, preto, amarelo e verde. Como vemos, são usadas cores bastante fortes, que entre si formam riscas.

Os seus fatos são feitos de colchas, possuem franjas de lã ou de linho que podem ser verdes, amarelas, ou vermelhas. À cintura estas figuras envergam uma espécie de cinto no qual se encontram os chocalhos, com o qual se fazem ouvir e efectuam as chocalhadas, bem como as campainhas ou guizos.

Os “caretos” fazem-se ainda acompanhar de um pau, que lhes serve de apoios, por exemplo, nos saltos que efectuam.

 

Fontes e Bibliografia:

PEREIRA, Benjamim, 1973, Máscaras Portuguesas, Lisboa, Museu de Etnologia do Ultramar.

PEREIRA, Benjamim [coord.], 2006, Rituais de Inverno com Máscaras, Bragança, Instituto Português de Museus.

TIZA, António Pinelo, 2004, Inverno Mágico, Ritos e Mistérios Transmontanos, Lisboa, Ésquilo.