Sacoias, Festa dos Rapazes

Em Sacoias a festa dos rapazes tem sofrido modificações devido à falta de jovens existentes na localidade. É por isso que qualquer homem pode fazer parte desta festa.

A festa era organizada por dois mordomos.

No dia 24 de Dezembro os rapazes reuniam-se com o intuito de decidir a compra dos alimentos (vitela, bacalhau, pão e vinho).

Fazia-se uma ronda na qual o gaiteiro participa.

Dia 25 e 26, bem cedo, faziam-se alvoradas que visavam juntar todos os rapazes.

Às nove horas do dia 25 de Dezembro fazia-se um almoço em casa do mordomo. Em 1969 as cozinheiras eram as suas mães.

Seguia-se a missa, uma ronda e a recitação das loas. Este elemento dinamizador da festa perdeu-se, bem como a presença dos mascarados.

Fazia-se uma ronda que parava em metade das casas da aldeia, e na qual os rapazes desejavam “as boas festas do Sagrado Nascimento” (PEREIRA, 1973:34).

A celebração deste dia terminava com uma ceia e um baile.

No dia 26 de Dezembro, depois da alvorada, as loas voltavam a ser recitadas.

Fazia-se uma nova ronda das Boas Festas na restante parte da aldeia.

No jantar deste dia eram nomeados os novos mordomos.

Dia 27 de Dezembro ocorria a caça da raposa e um almoço cujo principal alimento é o bacalhau. É durante este almoço que se “fazem as contas e pagam as multas” (PEREIRA, 1973:36).

À noite decorre a ceia, da qual constam os restos da vitela e dos chouriços angariados durante as rondas, e o baile. As raparigas participam nestes momentos.

Neste dia faz-se ainda o leilão.

Os bailes tinham lugar num curral.

 

Fontes e Bibliografia:

PEREIRA, Benjamim, 1973, Máscaras Portuguesas, Lisboa, Museu de Etnologia do Ultramar.