Vilarinho de Agrochão, Festa dos rapazes ou “papós”

Ocorria entre o dia 26 de Dezembro e o dia de Ano Novo.

Os mascarados invadiam as casas, nas quais exigiam “dinheiro, ovos, [e] enchidos” (PEREIRA, 1973:30).

Existia um banquete final.

 

Fatos e máscaras

Os fatos dos mascarados, conhecidos por “fatos carruços” (PESSANHA, 1960:46), eram feitos de colchas e franjas.

Os materiais da máscara podiam ser três: sola, lata ou papelão. Eram pintadas de preto.

Os “guizos de latão” (PEREIRA, 1973:30) também estavam presentes no fato.

 

Fontes e Bibliografia:

PEREIRA, Benjamim, 1973, Máscaras Portuguesas, Lisboa, Museu de Etnologia do Ultramar.

PESSANHA, Sebastião, 1960, Mascarados e máscaras populares de Trás-os-Montes, com desenhos de Mily Possoz, Lisboa, Livraria Ferin.